REDES
Os principais riscos de segurança em dispositivos IoT

Os principais riscos de segurança em dispositivos IoT

A Check Point vê o acesso ao resto da rede, espionagem através de smartwatches, roubo de dados através da SmartTV ou ataques a carros inteligentes como as principais ameaças

A Check Point admite as vantagens dos dispositivos IoT, mas lembra que esta tecnologia vem acompanhada de ameaças que colocam em risco os níveis da cibersegurança dos utilizadores e das empresas.

“Os carros, eletrodomésticos, relógios… são cada vez mais os dispositivos ligados à internet, por isso são muitos os setores que estão a tirar partido dos benefícios que oferece a tecnologia IoT,” comenta Rui Duro, Sales manager da Check Point Software Portugal. “No entanto, a maior parte dos dispositivos de IoT contam com níveis de proteção muito baixos ou são praticamente inexistentes, sendo que são concebidos tendo em mente a sua funcionalidade, deixando a segurança de lado. Por isso, este tipo de dispositivos são muito vulneráveis perante ciberameaças mais avançadas, o que afeta tanto os utilizadores como as empresas”, acrescenta o responsável.
Entre os riscos mais comuns associados aos dispositivos IoT, a Check Point identifica: 

Acesso ao resto da rede: os eletrodomésticos, como os frigoríficos ou as televisões, estão hoje ligados à internet, convertendo-se em pontos fracos na rede de dispositivos conectados, para que um cibercriminoso possa tirar proveito desse ponto de acesso e usá-lo como uma ponte para comprometer a segurança dos outros elementos ligados à rede, como computadores ou telefones;

Espionagem através do smartwatch: Os relógios inteligentes e as pulseiras de atividade física estão equipados com uma ampla variedade de sensores que possibilitam identificar padrões de comportamento, períodos de tempo, quando e para onde os utilizadores vão e por quanto tempo. Desta forma, se a segurança de qualquer um destes dispositivos for comprometida, um cibercriminoso pode usá-la para invadir o ambiente privado ou profissional dos utilizadores;

Roubo de dados através das Smart Tvs: Uma boa parte dos utilizadores usa aplicações de streaming de séries ou de reprodução de música, entre outros, diretamente na sua SmartTV. Para isso, precisam inserir informações de acesso, algo que representa um risco, considerando o nível baixo de proteção destes dispositivos. Além disso, isto representa uma ameaça ainda maior se o utilizador e a palavra-passe forem iguais para outros serviços, como o email. Por esse motivo, a Check Point desaconselha o uso da mesma palavra-passe em diferentes plataformas;

Ataques a carros inteligentes: Existe a possibilidade de um cibercriminoso pode assumir o controlo de veículos autónomos e causar colisões ou roubá-los.

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.