SMART CITIES
Fundação Calouste Gulbenkian promove concurso de aplicações smart city

Fundação Calouste Gulbenkian promove concurso de aplicações smart city

A realizar-se nos dias 30 e 31 de maio, a maratona CityHack tem em vista fomentar o desenvolvimento de soluções tecnológicas para a melhoria da qualidade de vida nas cidades e criar condições para a concretização das ideias geradas

A maratona tecnológica CityHack, que tem como objetivo o desenvolvimento de soluções tecnológicas para as cidades e a melhoria da qualidade de vida, realizar-se-á nos dias 30 e 31 de maio. O evento apoiado pela Fundação Calouste Gulbenkian, no âmbito do projeto Hack for Good, inserido no programa Gulbenkian de Coesão e Integração Social, marca este ano a diferença por promover um desafio inovador, sob a forma de maratona de 24 horas totalmente online, realizado em simultâneo pelos Institutos Politécnicos de Tomar, Castelo-Branco, Guarda e Portalegre, com o apoio da plataforma de inovação aberta portuguesa TAIKAI.

As candidaturas estão abertas, até 20 de maio.

Atendendo ao sucesso do ano anterior, a TAIKAI junta-se, pelo segundo ano consecutivo, ao CityHack, apresentando-se como a plataforma oficial da competição que este ano se debruça sobre o tema da “Transição Digital para o Bem”, que visa  encontrar ideias e soluções inovadoras e disruptivas que contribuam de forma decisiva para apoiar os diversos setores da sociedade a darem os passos essenciais no processo da transição digital.

O CityHack, além de incentivar os participantes a apresentar soluções tecnológicas para a melhoria da qualidade de vida nas cidades, reconhecendo, valorizando e retendo talentos, tem ainda como objetivo criar condições para a concretização das ideias geradas.

As candidaturas estão abertas, até 20 de maio, para equipas de 3 a 5 elementos, que sejam alunos de Universidades e Institutos Politécnicos, em que pelo menos dois sejam oriundos de áreas tecnológicas. A equipa poderá ainda incluir dois elementos que não frequentem o ensino superior.     

As equipas vencedoras irão receber prémios monetários no valor de 8000€ bem como diversos prémios oferecidos por alguns dos patrocinadores desta edição. O primeiro prémio - Hack for Good - é de dois mil euros e é patrocinado pela Fundação Calouste Gulbenkian. Cada um dos Institutos Politécnicos envolvidos irá atribuir prémios de 1000€ e 500€ para segundos e terceiros lugares, respetivamente.

Nas três edições anteriores estiveram presentes mais de 200 participantes, divididos em 50 equipas oriundas de mais de 20 instituições de ensino.
 

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.