ENERGIAS
Câmara de Lisboa reduz consumo energético em 36%

Câmara de Lisboa reduz consumo energético em 36%

A Câmara de Lisboa concluiu um retrofit que levou a uma poupança de energia superior a um terço, realizado no âmbito do programa UE Horizon 2020 Sharing Cities

A Câmara de Lisboa concluiu um retrofit de energia que levou a uma poupança de energia superior a um terço (36%).

A modernização foi realizada no âmbito do programa UE Horizon 2020 Sharing Cities, que utiliza soluções open source para melhorar a sustentabilidade das cidades e o bem-estar dos cidadãos.

Apesar de abrigar apenas 100 funcionários, a Câmara Municipal de Lisboa é um dos cinco edifícios públicos com maior consumo de energia do município; razão pela qual foram implementados planos para realizar uma renovação energética completa do edifício em 2016. O projeto teve como objetivo fornecer um exemplo prático de como os edifícios públicos em uso podem melhorar sua performance energética e preservar o seu caráter arquitetónico e características originais.

Como o único edifício histórico em Portugal que passou por profundas medidas de modernização da eficiência energética, a conclusão deste projeto representa um marco importante no programa Sharing Cities, e um grande impulsionador para a estratégia de adaptação climática do programa 2020 European Green Capital.

“Os edifícios históricos são geralmente vistos como difíceis de reabilitar. Graças ao programa Sharing Cities, o retrofit de energia da Câmara de Lisboa estabelece um excelente exemplo do que pode ser alcançado através da colaboração ”, refere David Cunha, consultor sénior de tecnologia da informação e transformação digital do município de Lisboa. 

"A intervenção num dos edifícios públicos mais emblemáticos da Capital fornece um modelo técnico e comercial viável, a partir do qual serão extraídos insights para impulsionar as nossas futuras políticas de energia".

O Sharing Cities aponta que edifícios não residenciais, incluindo edifícios públicos, têm um consumo cerca de 40% mais elevado. Em toda a UE, isto representa um consumo médio de energia de cerca de 200 e 300 kWh por m², em comparação com uma média de 180 kWh por m² em edifícios residenciais.

Os dados mais recentes recolhidos na monitorização do desempenho energético do edifício já mostram uma poupança de energia de 36%, demonstrando a significativa redução de consumo que pode ser conseguida com a modernização dos edifícios públicos e o uso de fontes de energia renováveis para maior eficiência.

As intervenções de retrofit foram definidas de acordo com os regulamentos para património protegido, níveis de conforto, redução de energia e metas de impacto ambiental. À luz destes desafios, o diálogo contínuo entre o município, organismos nacionais e parceiros locais foi vital para a execução bem-sucedida do projeto. 

Usando os plantas existentes, foi criado um modelo 3D do edifício para determinar as características básicas do edifício, como materiais de construção, padrões de ocupação e uso, sistemas de iluminação, temperatura e uso de energia do equipamento (incluindo sistemas de aquecimento e refrigeração). O modelo 3D, juntamente com o software dinâmico de simulação de energia e clima, ajudou a determinar a abordagem e o pacote de soluções de retrofit mais adequado.

O conjunto de intervenções incluiu a substituição do sistema HVAC, a substituição de todas as lâmpadas existentes por LED, bem como a instalação de um sistema fotovoltaico para geração de energia local. A única intervenção na envolvente do edifício foi a restauração das janelas existentes, cuja condição se tinha deteriorado significativamente devido à idade e à exposição aos elementos.

O ponto central do programa de modernização foi o uso de tecnologias inovadoras como um sistema de gestão de energia sustentável (SEMS) instalado para monitorar as cargas dos painéis fotovoltáicos, HVAC, aquecedores de água e outros equipamentos.

Desenvolvido pelo Sharing Cities, o SEMS é um sistema modular avançado que centraliza dados e controlo de sistemas e dispositivos locais e otimiza a rede de energia para obter poupanças e melhorias ambientais.

 

As intervenções alcançaram as seguintes melhorias de desempenho energético:

  • Poupança de 36% em consumo energético entre junho de 2019 e fevereiro de 2020
  • redução do uso total de eletricidade da rede de 500 MW em 2016 para menos de 250 MW em 2019
  • Em média, 90% da geração solar foi consumida automaticamente.

Os sistemas de monitorização continuarão a oferecer uma avaliação contínua do impacto das intervenções de modernização, com foco não apenas no consumo de energia, mas também nos níveis de conforto experienciados pelos funcionários municipais e nas atividades de gestão de energia do edifício. 

A equipa completa do projeto incluiu a Câmara Municipal de Lisboa, a Lisboa E-Nova (consultoria de energia); EDP Distribuição (SEMS) e o Instituto Superior Técnico (modelagem e monitorização de energia).

 

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.