INOVA
Quase metade das PME portuguesas do retalho ainda não tem presença digital

Quase metade das PME portuguesas do retalho ainda não tem presença digital

Um estudo da Sage conclui que a grande maioria das empresas portuguesas do retalho não explora o seu máximo potencial nem tira partido dos recursos que tem à sua disposição

Devido aos vários confinamentos e às restrições contínuas, o setor do comércio a retalho tem sido dos mais afetados pela pandemia que assolou o país e o mundo em 2020. Esses efeitos são particularmente sentidos nas PME que compõem, precisamente, a quase totalidade das empresas deste setor em Portugal.

Assim, a Sage realizou um inquérito junto de várias centenas de empresas nacionais para compreender o impacto da pandemia nos seus negócios, e sobretudo o seu nível de digitalização e preparação para o novo paradigma que agora se impõe.

O estudo da Sage permitiu concluir que quase metade (45%) das empresas portuguesas do setor do comércio a retalho não tem qualquer tipo de presença online – ou seja, não conta com um website ou redes sociais próprias, cingindo-se ao comércio mais tradicional. Esta realidade impede-as de explorar o seu máximo potencial e coloca-as numa posição muito desfavorecida, sobretudo num momento de confinamento como o que vivemos.

Entre estas empresas que não têm presença online, mais de metade (53%) justifica essa ausência com a falta de recursos para dar o “salto” – sejam eles recursos financeiros para realizar o investimento, recursos internos para fazer a gestão das novas plataformas, ou mesmo o conhecimento necessário para tal.

Para além disto, os dados recolhidos pela Sage indicam também que 65% das empresas deste setor ainda não realiza vendas online.

O estudo da Sage concluiu ainda que 71% das empresas deste segmento perdeu receitas desde o início da pandemia e, em média, essas perdas equivaleram a 23% do seu volume de negócios.

Olhando para 2021, não são muitas as empresas do setor que compreenderam já a sua necessidade urgente de digitalização. De facto, apenas 35% dos inquiridos reporta que este ano pretende fazer investimentos para acelerar a sua transformação digital e capacidade produtiva – por exemplo através de software, equipamentos e infraestruturas que permitam automatizar processos, ter presença online e poder trabalhar de forma remota.

Os números deste estudo são preocupantes, porque nos demonstram que o setor do comércio a retalho em Portugal não está verdadeiramente preparado para a situação desafiante que vivemos. Confirmámos uma vez mais que a transformação que há que implementar é profunda e toca o lado cultural e social: é necessária uma verdadeira mudança de mentalidades para que as empresas portuguesas compreendam a vitalidade de se digitalizarem”, salientou Josep María Raventós, Country Manager da Sage Portugal. “Na Sage acreditamos que a digitalização é a alavanca da recuperação económica do país, e, por isso, procuramos realizar estudos regulares do mercado e compreender as suas reais necessidades. Em particular, os resultados deste estudo levam-nos a concluir que é preciso apostar neste setor e oferecer-lhe, agora mais do que nunca, as ferramentas, conhecimentos e demais condições para que possa implementar um plano de recuperação eficaz, tão rapidamente quanto possível”.

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.