REDES
Projeto londrino visa resolver lentidão de dados móveis na cidade

Projeto londrino visa resolver lentidão de dados móveis na cidade

A operadora de telecomunicações Ontix deu início a um projeto com vista a mitigar as graves limitações de banda larga móvel na capital britânica, através da instalação de um sistema híbrido de fibra e wireless compartilháveis pelos fornecedores de serviços de internet

 

Hoje em dia, limitações de banda larga e velocidade tendem a ser associadas a localizações remotas, longe das grandes cidades e dos principais investimentos em infraestrutura de telecomunicações. Os habitantes de Londres, contudo, não precisam de viajar para fora da cidade para desfrutar destas condições pitorescas: tal como o tráfego rodoviário, a capital inglesa tem uma bem-merecida reputação pela lentidão do tráfego de dados móveis.

Para dar resposta a este problema, a operadora Ontix deu recentemente início ao seu plano de elevar a banda larga da cidade ao padrão europeu, a começar com com uma única rua no Soho.

Apinhada de pequenas empresas e local de um antigo mercado – agora ocupado maioritariamente por relotes de comida de rua –  Berwick Street, Londres, obtinha velocidades tão baixas quanto 0,41 Mbps. Em comparação, a velocidade média de download nas remotas Orkney Islands, a norte da Escócia, é de 3 Mbps.

Segundo a Ontix, a nova infraestrutura de rede instalada em Berwick Street permitiu que o desempenho da rede subisse para 300 Mbps. 

O “truque” está em substituir a infraestrutura exclusivamente constituída por fibra por uma nova rede de transmissão, Metrohaul, que usa uma combinação de fibra e tecnologias wireless.

"O desafio que as operadoras móveis enfrentam é que estão a tentar desesperadamente escavar as ruas para instalar fibra, o que não só é dispendioso como também incrivelmente complexo”, explica Antony Tomlinson, CEO da Ontix. “A nossa ideia está em fazê-lo de forma diferente, com uma combinação de fibra e wireless para evitar ter de fazer tantas obras“.

Tomlinson explica que, em Berwick Street, por exemplo, a BT e a Virgin não conseguiram instalar banda larga de alta velocidade porque há um embargo na escavação da estrada.

A Ontix chegou à conclusão que a solução tinha que ser, pelo menos parcialmente, wireless. A empresa colocou os receptores fora das instalações dos seus clientes e apontou-os para um poste de iluminação no final da rua, o qual equiparam com uma das unidades wireless da Ontix.

A unidade conecta-se à principal rede de fibra Metrohaul da empresa. A Ontix também permitirá que as operadoras móveis equipem os postes de iluminação de Westminster com small cells - mini estações-base cada vez mais usadas nas cidades para fornecer capacidade de banda larga adicional sem a necessidade de construir uma torre de telecomunicações. Isso permitiria às operadoras partilhar a infraestrutura de small cells, em vez de criar suas próprias redes separadamente.

As vantagens de um serviço partilhados são evidentes, argumenta Tomlinson: “Precisamos de dezenas de milhares, talvez centenas de milhares de novas small cells só em Londres.

"Cada uma precisa de uma solução de transmissão, e isso exige alguma de escavação da rua. Portanto, é impossível, económica e logisticamente, que cada operador construa a sua própria infraestrutura de pequenas células".

De momento, o Metrohaul consiste apenas num dispositivo de small cell instalado em Trafalgar Square e conectividade wireless em Berwick Street, “mas queremos implantar uma rede inteira separada que não dependa de outras redes", continua Tomlinson. "Uma rede neutra pode fornecer infraestrutura compartilhada a um menor custo e em menos tempo. Caso contrário, é difícil ver como alcançaríamos os nossos objetivos. Nesse caso, continuaríamos a ficar para trás relativamente a grande parte do resto do mundo".

 

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.