ENERGIAS
Os fatores chave da energia na economia circular

Os fatores chave da energia na economia circular

Eaton reforça o papel das energias renováveis e o armazenamento de energia na passagem de uma economia linear para uma economia circular que gera menos emissões e resíduos, e fornece mais valor

A economia circular está na agenda política há anos, e ouvimos este termo cada vez com mais frequência. Já em 2015 foi aprovado o Plano para a Economia Circular Europeia que procura reduzir ao mínimo a geração de resíduos e aproveitar ao máximo os que são impossíveis de evitar. 

Contudo, na Europa, apenas 12% dos recursos materiais utilizados provêm de reciclagem e recuperação, enquanto os restantes 88% se perdem. E este é apenas um exemplo do longo caminho a percorrer, o que significa que, apesar das mudanças, ainda estamos numa economia "linear" caracterizada por grandes quantidades de resíduos e desperdício, tanto material como eficientemente. 

Nos últimos meses, as desvantagens deste modelo e a necessidade de avançar para uma fórmula caracterizada por menores emissões e geração de resíduos e a oferta de mais valor tornaram-se mais evidentes do que nunca.  Neste sentido, Eaton, empresa líder na gestão de energia, recorda o papel potencial que as energias renováveis e o armazenamento de energia podem desempenhar na consecução deste objectivo, conhecido como economia circular, que deve abranger tudo.

 

As energias renováveis, a base da economia circular

O relatório da Fundação Ellen MacArthur sobre como a economia circular aborda as alterações climáticas, sublinha que a implementação da economia circular é essencial para reduzir as emissões "mais duras" resultantes da "produção de edifícios, veículos, electrónica, vestuário, alimentos, embalagens e outros bens e bens que são utilizados diariamente, transformando a forma como os bens são concebidos, produzidos e utilizados. Além disso, segundo o mesmo relatório, são as energias renováveis que têm potencial para abordar o outro lado da moeda: 55 por cento das emissões globais produzidas são gases com efeito de estufa (GEE).

Por este motivo, a transição massiva para as energias renováveis é o primeiro passo na construção de um modelo que tem realmente a capacidade de apoiar a economia circular. Nas palavras de José Antonio Afonso, responsável de Commercial Building da Eaton Iberia, "o progresso no sentido da descarbonização a que assistimos nos últimos meses com o encerramento de numerosas fábricas é apenas um exemplo de como, apesar do longo caminho que nos espera, estamos a avançar na direção certa em termos de adoção de energias verdes, que são a base mais sólida sobre a qual deve ser construída uma nova economia circular com um impacto tangível em todos os campos". 

 

Armazenamento e autoconsumo de energia para reduzir a volatilidade

Desde há algum tempo, dos consumidores às empresas, temos testemunhado que o actual sistema linear apresenta problemas e desvantagens potenciais decorrentes, na sua maioria, da volatilidade dos preços dos recursos e, mais importante ainda, das interrupções de fornecimento.

Segundo o responsável da Eaton, a solução para estes dois cenários "implica a adoção de sistemas de armazenamento de energia e de autoconsumo que permitam superar o problema da volatilidade do aprovisionamento (e não apenas dos preços), uma vez que se demonstrou ser este um dos principais inconvenientes para as energias renováveis. Soluções como o xStorage permitem promover a utilização de energias verdes das próprias casas e para setores como a construção ou o transporte, assegurando um abastecimento estável em todos os aspetos".

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.