ENERGIAS
Siemens ajuda Açores na transição energética

Siemens ajuda Açores na transição energética

A Siemens está a colaborar com a Energia dos Açores para construir na ilha Terceira um dos maiores sistemas independentes de armazenamento de energia por baterias a ser instalado numa ilha na Europa. Com gestão inteligente da microrede para prever o consumo e a produção de energia, é previsto que consiga uma redução das emissões de CO2 em mais de 3.500 toneladas por ano


A Siemens, em parceria com a Fluence, foi escolhida pela EDA - Electricidade dos Açores para construir um sistema de armazenamento de energia por baterias na Terceira, a segunda maior ilha em termos de consumo de energia do arquipélago dos Açores. O projeto visa tornar a ilha mais sustentável e tem conclusão prevista para 2021.
Nos Açores existem nove sistemas de produção de energia isolados e autónomos com potencial significativo de aproveitamento de energias renováveis, principalmente de origem eólica, hídrica e geotérmica. "O sistema de armazenamento de energia que estamos a implementar vai ajudar a Ilha Terceira na transição para um novo mix energético. Esta tecnologia permitirá um aumento da quota de energia renovável, limitando o consumo de combustíveis fósseis e reduzindo significativamente as emissões de gases com efeito estufa. Irá ainda aumentar a independência energética da Terceira, dando mais flexibilidade, capacidade, resiliência e autonomia à sua rede de energia," explicou Fernando Silva, responsável pela Smart Infrastructure da Siemens Portugal.
O projeto vai contar com tecnologia Gridstack de última geração da Fluence, que combina hardware, software avançado e inteligência baseada em dados. Com uma capacidade de 15 MW, este será um dos maiores sistemas independentes de armazenamento de energia por baterias a ser instalado numa ilha na Europa. Préconfigurado para lidar com as mais exigentes aplicações de rede, regulará principalmente a frequência e a tensão da rede elétrica, aumentará a segurança do fornecimento de energia graças à reserva girante, e absorverá e armazenará o excesso de energia produzida por fontes renováveis, devolvendo-a à rede durante horários de pico de consumo ou de baixa produção.
A implementação deste sistema, associada a uma expansão adicional de até 6 MW de energia produzida a partir de fontes renováveis ou recursos endógenos, tais como geotérmicos, permitirá à ilha duplicar, a médio prazo, a sua quota de energias renováveis de 20-30 por cento para mais de 60 por cento. A substituição de parte do fornecimento de energia a diesel por energias renováveis resultará numa redução de 1.150 toneladas no consumo anual de diesel e diminuirá as emissões de CO2 em mais de 3.500 toneladas por ano. Isto corresponde, aproximadamente, às emissões de CO2 de cerca de 1.500 carros que percorram cerca de 20.000 km por ano.
Para aumentar a eficiência do sistema, vai ser utilizada uma sofisticada solução de gestão da microrede que permite a monitorização e o controlo, em tempo real, de toda a infraestrutura, bem como a previsão do consumo e da produção de energia, assim como a utilização da capacidade de armazenamento por várias horas ou mesmo dias, tendo por base as previsões meteorológicas. "Isto permite-nos traçar uma estratégia de operação otimizada e alcançar um equilíbrio ótimo entre o consumo e a produção de energia, e aumentar a segurança do fornecimento aos nossos clientes" afirmou Duarte José Botelho da Ponte, Presidente do Conselho de Administração da EDA - Electricidade dos Açores. "Com a tecnologia de armazenamento em combinação com a aplicação de microrede, queremos maximizar a integração de fontes de energia renováveis na Ilha Terceira. Ao mesmo tempo, queremos garantir um fornecimento de energia que cumpra os mais altos padrões de qualidade e fiabilidade."
 

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.