MOB
Eletromobilidade rende 13 mil milhões de euros à Bosch

Eletromobilidade rende 13 mil milhões de euros à Bosch

A Bosch tem investido anualmente três mil milhões de euros em desenvolvimento de software, para além de estar a aprimorar todos os tipos de motores, seja de combustão ou células de combustível

No que diz respeito à eletromobilidade, a Bosch segue na pista rápida. Segundo a própria organização, nenhuma outra empresa possui tanta experiência neste domínio, e isso reflete-se nos resultados: desde o início de 2018, a Bosch recebeu pedidos de eletromobilidade no valor de aproximadamente 13 mil milhões de euros, incluindo projetos de produção de transmissões elétricas para automóveis e camiões ligeiros.

O setor de negócios das Soluções de Mobilidade continua a desenvolver-se melhor do que a produção automóvel global em 2019. Apesar da atual tendência de queda significativa do mercado, as vendas das operações do setor ficarão logo abaixo do nível alcançado no ano anterior. “A transformação da mobilidade envolve desafios, mas também oportunidades. Queremos compreendê-los”, afirma o Dr. Volkmar Denner, presidente do conselho de administração da Bosch.

Tecnologicamente, a Bosch está a abordar a mobilidade do futuro com uma mente aberta. Essa postura faz com que seja possível melhorar ainda mais os motores convencionais e a eletrificação de rastreamento rápido. Além disso, a empresa continua a trabalhar no sentido de tornar a mobilidade automatizada, conectada e personalizada. Uma das chaves para que isso aconteça está na eletrónica e no software.

As operações de mobilidade da empresa empregam atualmente cerca de 14 mil engenheiros de software, e os gastos anuais com experiência em software chegam a três mil milhões de euros. O objetivo é manter as pessoas móveis de maneira ecológica e garantir que a mobilidade seja acessível a todos. “A Bosch está a tornar a mobilidade acessível e amiga do ambiente”, reforça Denner.

A Bosch está na frente no caminho na ação climática, e isso é algo que vai além do facto de estar a tornar todas as suas localizações em todo o mundo neutras em carbono a partir do próximo ano. "Estamos também a dedicar-nos ao desenvolvimento de soluções de mobilidade que não têm um impacto significativo no aquecimento global e na qualidade do ar", acrescenta Denner. A cada ano, a empresa investe cerca de 400 milhões de euros em mobilidade livre de emissões.

No que diz respeito à eletromobilidade, a Bosch tem uma pegada mais ampla do que outras empresas - desde bicicletas a camiões, passando por hibridação suave de 48 volts ao motor de arranque totalmente elétrico. A Bosch tem como objetivo alcançar uma posição de liderança no mercado com a sua bateria de 48 volts, tendo realizado recentemente um acordo de cooperação de longo prazo com a empresa chinesa Contemporary Amperex Technology Co. Limited (CATL) para a produção de células de bateria.

No início do ano, a Bosch previa vendas de cinco mil milhões de euros até 2025 com componentes e sistemas de eletromobilidade para automóveis de passageiros e camiões ligeiros. Agora espera ultrapassar esse número.

“Qualquer que seja a tecnologia que gera mobilidade livre de emissões, temos que fazer com que o mercado a aceite. Gerimos isso apresentando soluções acessíveis. Se não o fizermos, não conseguiremos ajudar a combater o aquecimento global”, afirma Denner.

No caminho traçado para se tornar líder de mercado em eletromobilidade, a Bosch pretende também criar um mercado de massa para células de combustível, e nesse sentido está a trabalhar na sua produção. Também neste caso, as economias de escala irão ajudar a tornar o fabrico dessa tecnologia ainda dispendiosa, em algo mais económico. "A Bosch está a trabalhar para que os motores de arranque alternativos se tornem mais acessíveis", diz Denner.

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.