SMART CITIES
Indra reforça proteção antitsunami das cidades

Indra reforça proteção antitsunami das cidades

Em cooperação com a Agência Espacial Europeia, a Indra forneceu soluções de observação da Terra à cidade de Palu, na Indonésia, para melhorar a capacidade de resistir a tsunamis

A Indra está a trabalhar com a Agência Espacial Europeia (ESA) no desenvolvimento da próxima geração de soluções de observação da Terra, concebidas para ajudar as cidades a reduzir, ao máximo, os danos provocados por tsunamis ou qualquer outro desastre de grande envergadura: terramotos, inundações, erupções vulcânicas, etc..

O objetivo é romper a habitual dinâmica internacional, na qual grandes recursos são mobilizados de cada vez que uma cidade ou país vulnerável é atingido por este tipo de fenómeno, em vez de concentrar o esforço na prevenção. A ESA e a Indra querem reverter esta mecânica para reduzir drasticamente o custo em vidas humanas, no qual resulta este tipo de crise, e o custo associado à gestão da emergência e aos trabalhos de reconstrução.

Ambas as organizações tiveram a oportunidade de aplicar esta visão num recente projeto experimental realizado num caso real. Trabalharam com as autoridades locais na reconstrução da cidade indonésia de Palu, após o tsunami sofrido em setembro de 2018, reforçando a sua capacidade para resistir a este evento no futuro.

Com mais de 350 mil habitantes, a cidade localizada na ilha de Sulawesi foi devastada por uma onda gigante gerada por um terramoto de 7,5 na escala de Richter. Inundações, deslizamentos de terras e colapsos tiraram mais de duas mil vidas e destruíram todo o tipo de edifícios, infraestruturas e campos de cultivo.

Após o evento, foi ativado o projeto Redução de Risco de Desastres que a Indra lidera desde 2012 e que a ESA promove no âmbito do programa Copernicus Emergências.

Nos primeiros momentos, a empresa gerou mapas baseados em imagens recolhidas pelos satélites antes e depois do evento. Estes produtos forneceram informações detalhadas sobre a situação de cada infraestrutura, edifício, instalação industrial e áreas de cultivo da cidade e arredores mais próximos.

Alberto Lorenzo, especialista em Observação da Terra da Indra, explica que “após um desastre deste tipo, a informação disponível é, muitas vezes, confusa e escassa. A tecnologia espacial fornece uma visão completa bastante detalhada, de forma imediata. Com esta tecnologia, é possível definir prioridades, organizar a ajuda e garantir que esta chega onde é mais necessária”.

O objetivo agora era empregar as informações recolhidas a partir do espaço para projetar uma cidade preparada para resistir a um evento deste tipo, caso se repita no futuro.

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.