SMART CITIES
Cidade inglesa desenvolve "sistema operativo" municipal

Cidade inglesa desenvolve "sistema operativo" municipal

A cidade portuária de Hull, em Yorkshire, começou a usar o que chama de seu próprio sistema operativo para centralizar a gestão de dados e gerir recursos com mais eficiência

Com sensores de IoT distribuídos pela cidade para fornecer dados em tempo real, a câmara municipal de Hull afirma poder controlar melhor a iluminação das ruas, a gestão de resíduos, o estacionamento e o congestionamento do trânsito, com o objetivo de “fornecer melhores serviços a um custo reduzido”.

A câmara está a colaborar com uma operadora de telecomunicações local, a Connexin, que se baseou na plataforma Kinetic for Cities da Cisco - um software que permite que os operadores da cidade visualizem e giram dados de vários sensores e de um único painel.

"Descobrimos que as cidades estava, com dificuldade em se digitalizar porque tinham muitos sistemas em silos. Por exemplo, podem ter um sistema de gestão de iluminação e um sistema de gestão de tráfego, mas os dois não se coordenariam entre si”, explica Furqan Alamgir, fundador da Connexin. “Assim, com base na plataforma da Cisco, construímos um sistema operativo central que normaliza todos os dados numa única linguagem para que todos os sensores possam comunicar entre si sem problemas".

A plataforma, chamada CityOS, reúne e agrega informação de vários sensores IoT diferentes antes de a transmitir aos operadores da cidade. Isso significa que os dados são mais fáceis de visualizar e podem ser usados para gerir melhor os recursos.

Daren Hale, representante da câmara de Hull, acrescenta: "O sistema reúne os dados que atualmente se encontram em sistemas de computadores do conselho separados que permitem a gestão dos bens públicos de toda a cidade em tempo real".

"Isto não quer dizer que a câmara municipal se tenha tornado totalmente dependente da tecnologia, ou que os semáforos e a recolha de lixa se fiquem inoperáveis no dia em que o CityOS se deparar com problemas de IT, porque o sistema não armazena os dados, e o Conselho pode optar por inserir ou não ou dados. "Não queremos ser detentores dos dados", garante Alamgir. “Só serão visíveis para o CityOS se a câmara permitir acesso aos mesmos. Essa é a ideia por trás de uma 'cidade programável'".

A parceria da cidade de Hull com a Connexin foi estabelecida há quase um ano, e desde então já levaram a cabo testes com contentores do lixo inteligentes. Os sensores instalados nos contentores monitorizam os níveis de resíduos, e estes dados são usados para determinar os horários e rotas mais eficientes para a recolha.

Tags
Notícias relacionadas

RECOMENDADO PELOS LEITORES

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.